Clínica Escola

O Instituto Sistemas Humanos conta com três frentes de atendimento a famílias e casais: a Clínica Escola, a Clínica de Casal e a Clínica Social.

A Clínica Social teve seu início em 2003, atuando com duas interfaces de mútuo crescimento e desenvolvimento, ou seja, com as famílias que procuram atendimento em algum momento delicado de suas vidas, e com os terapeutas de família que visam uma ampliação e aprofundamento de sua atuação terapêutica, constituindo entre si, uma equipe reflexiva, com a interlocução clínica de um formador mais experiente. Dessa forma, nesse espaço de trabalho e parceria, atendimentos de demandas e origens diversas, assim como a reflexão e criação de novas possibilidades em atendimento, vão se somando e aprimorando, de forma que o amadurecimento do grupo nos coloca, hoje, em ótimo patamar de atenção e cuidados às necessidades de cada família que procura o Instituto.

Para que o caráter social desse funcionamento seja possível, cada família que chega ao Sistemas Humanos já tem garantido seu atendimento por outras famílias que, por generosidade e reconhecimento, contribuíram com o que lhes foi possível, seja durante o processo terapêutico, seja ao final dele.

Contamos também com contribuições de pessoas que acreditam nessa forma de trabalho terapêutico e colaborativo, assim como pelos integrantes do grupo, cuja mensalidade dá suporte ao permanente funcionamento do trabalho.

Caso seja de seu interesse saber mais a respeito do trabalho e juntar-se a nós, informamos que a Clínica Social funciona às quintas-feiras, das 14h00 às 17h00, mediante entrevista a ser marcada com a Nice, na Secretaria do Instituto, pelo telefone (11) 5505-8911.

Conheça nosso grupo

Marcos Naime Pontes: coordenador e formador pelo Instituto.

Demais integrantes por ordem alfabética

Ana Starling: sou psicóloga e terapeuta de casal e família que atuava sozinha no consultório e busquei a clínica social na esperança de encontrar um novo formato de atendimento compartilhando com outras pessoas. Encontrei um espaço que significou muito mais do que isso para mim, novas possibilidades , ampliação da significação do lugar do terapeuta, uma troca genuína entre as pessoas possibilitando a co-construção de um trabalho verdadeiramente transformador.

Ana Carolina Linardi Payés:  estando no final da formação de terapeuta de família e de casal, me ligue à clínica social (grupo de quinta-feira) em 2014, buscando um lugar onde pudesse amadurecer meu olhar como terapeuta e vivenciar a prática sistêmica. Para mim, a clínica social significa um grupo valioso de compartilhamento de experiências e também de sustentação e crescimento do ser terapeuta.

Camila Falanghe: concluí minha formação como terapeuta de famílias e casais em 2011 e a partir deste ano busquei a clínica social como um espaço de trocas e possibilidades. Me surpreendi, pois encontrei muito muito mais do que isso: foi nela que iniciei meus passos me autorizando a tornar-me terapeuta. A clínica para mim vem sendo uma incubadora do meu ser terapeuta de onde recebo o alimento do olhar que legitima, autoriza, contém, suporta... e tudo mais que minha irmã de incubadora Márcia lembrou. Como acredito que o terapeuta nunca está nascido por completo, mas sempre em processos de renascimentos, olho para este espaço como um lugar único de possibilidades de nascimentos e renascimentos.

Márcia Regina Machado Benatti: frequento a clínica social desde fevereiro de 2009. Sou fonoaudióloga e terapeuta de família formada pelos Sistemas Humanos na turma de 2010. Gostaria de expressar ,declarar e registrar a minha experiência na clínica social através das seguintes palavras:trabalho com o ser terapeuta; múltiplas vozes; diferentes olhares e vivências; grupo terapêutico; lugar de pertencimento; lugar de pertencimento e validação; incentivo; colo; cooperação; cooterapia; integração e diferenciação; transformação; compreensão; cuidado; preparo; mergulho; continência; suporte; suportar; entender; perguntar; ouvir; construir; ter paciência; acolher; não saber; aproximar-se e acreditar.

Maria Luiza Bambini Vasconcellos: Pedagoga e Terapeuta de Família. Para mim, a Clínica de Estudos e Atenção à Família foi a oportunidade de verificar em serviço, assim como contribuir por meio dele, para a construção de um conceito que sempre me sustentou: a conectividade que rege todos os seres e seu meio, espaço no qual todos os envolvidos são profundamente beneficiados pelo trabalho que constituem em parceria.  

Marli Tagliari: sou psicóloga Junguiana, com formação em Terapia de Casal e Família pelo Sistemas Humanos, Núcleo de Estudos  e Prática Sistêmica. Como forma de  aprimorar meu aperfeiçoamento, faço parte da equipe reflexiva  na Clinica Social do Sistemas Humanos, um dos vários Núcleos de Estudos da Instituição. A clínica de Estudos e Assitência a famílias existe desde a fundação do Instituto e visa assistir  famílias, oferecer aos alunos em formação a ampliação do modelo de estudos e legitimar os terapeutas de família que desejam experimentar atendimentos com interlocução clínica na presença de um formador. Destes  encontros significativos me enriqueço a partir das trocas que acontece entre coordenador, equipe e famílias, o que contribui para o fortalecimento do meu papel de terapeuta e de minha singularidade.