DEPOIMENTOS

Minha vida sempre foi pautada por novas descobertas e o Instituto Sistemas Humanos proporcionou-me novas e profundas explorações.
Na busca de novos conhecimentos encontrei a profundidade, a delicadeza, o novo e principalmente me encontrei.
Ao mesmo tempo que estudamos o outro também estudamos nós mesmos.
Quis explorar o novo e voltei ao ponto de partida, EU.
beijos

Monica R. Mauro

Histórias que se cruzam
Diferenças que somam
A oportunidade de transformar
Agregar e
Recriar
Assim, ativamos o ciclo virtuoso
que move a vida com mais leveza
e fluidez.

Adriana V. S. Doria

Existia mesmo um velho ditado, que dizia que que a vida começa aos 40, porém posso garantir que ela pode começar com muita determinação e vontade aos 60
E foi assim que cheguei aos Sistemas Humanos, recém aposentada,muito assustada , com um medo enorme de acompanhar aquele grupo de jovens, em pleno apogeu profissional e pessoal
Afinal, eu era somente uma Pedagoga, formada há quase 40 anos com alma de Assistente Social e uma experiência de 20 anos trabalhando no Atendimento à Famílias e Crianças em áreas de periferia,com alto risco de vulnerabilidade .
Cheguei aos sistemas ,com uma vontade enorme de encontrar na teoria fundamentos teóricos que dessem sentido às minhas crenças e a minha prática , muitas vezes tão intuitiva
Buscava também nova formação que me permitisse trilhar novos caminhos profissionais .
Afinal se a vida começa aos 60, não pode parar aos 64,não é?
A leitura dos textos, ,o contato com cada nova escola, a forma tão pessoal que cada formador nos conduzia pelos caminhos de novas teorias, o acolhimento do grupo, a certeza de pertencer me traziam muitas vezes sensação de euforia , uma certa pressa ,como uma vontade enorme de quero mais e agora.
Mas ao mesmo tempo era necessário um profundo mergulho em minha própria vida, como se a visse refletida num espelho .Se de um lado sentia o encantamento de tantas possibilidades que a Terapia Familiar podia nos oferecer, do outro tinha que aprender a identificar o ressoar das minhas próprias dores, vazios, abandonos e só assim conseguir me identificar com o outro .
E conseguir me aproximar dele e estabelecer vínculos.
O que foi então o Sistemas Humanos na minha vida?
Posso garantir que foi das melhores escolhas que fiz na vida, da qual não me arrependo nem um segundo..
Aqui encontrei muito mais do que supus poder encontrar em um Curso de Formação:
Competência aliada a uma enorme generosidade,
Soma de Saberes combinada com a humildade de saber lidar com as Diferenças, Receptividade, acolhimento, estabelecimento de vínculos aliado à possibilidade de crescer
E tudo somado à uma postura ética, profissional e íntegra, mesclado a um profundo sentimento de respeito e humanidade.
Ao meu maravilhoso grupo , meu desejo carinhoso que continuemos unidas, firmes e companheiras como conseguimos ser durante estes 4anos,
Aos meus Mestres amados e admirados Janice, Denise, Marcos , Eliete, Adriana e Sandra a minha eterna gratidão e amizade. Pessoas como vocês não existem.
A Suzana o meu agradecimento por ter me dado a possibilidade de conhecer e me apaixonar pelo Sistemas Humanos
Um grande beijo a toda a equipe de apoio que contribuiu para que meu curso de Formação fosse inesquecível
Com todo o meu carinho e gratidão.

Sandra Aprigliano

Tantas coisas podem ser ditas sobre um curso que escolhemos em nosso percurso profissional ... mas para mim, a marca do Sistemas Humanos é a coerência entre discurso e prática. Foi o que me encantou! Ver que o corpo docente vive e testemunha o escopo teórico do curso nos anima a também viver e acolher com competência e respeito a todos que nos propomos receber em nossos atendimentos.

Ma. Luiza B. Vasconcellos

Quando percebi que tinha feito uma feliz escolha na vida, a de ser psicóloga , acompanhou-me a ideia ao longo dos anos de cuidar do meu papel profissional com muito carinho, qualidade, intensidade sempre em busca de mais sabedoria. A formação de terapeuta de casal e família nasce dentro de uma psicóloga madura (com mais de 25 anos de formada , na época), inquieta e exigente que estava em busca de novos conceitos, algo que ampliasse os saberes, algo renovador. A confirmação que tive durante a entrevista de que não só eu estava interessada nos Sistemas Humanos mas que eles também estavam interessados no que eu tinha para acrescentar, foi fundamental para eu perceber que ali se estabelecia uma rede de cumplicidades. Essa percepção foi apenas um começo mas ,ao longo dos anos de formação, com muitos estudos teóricos e práticos, foram ficando mais claras as intenções em ensinar mas, também em aprender com todos os humanos que faziam parte do sistema. Salientando apenas uma das várias diferenças que adquiri ao longo desses anos no SH , escolho aquela que foi mais significativa para mim: a de valorizar o olhar de todos os membros envolvidos no contexto dos atendimentos, sempre incluindo o terapeuta, em suas semelhanças e diferenças , sem deixar de se preocupar com a ética relacional necessária para que as relações floresçam respeitosamente.
Algo que começou na minha entrevista , prosseguiu pela minha formação e continua até os dias de hoje no Ponto de Encontro, grupo destinado aos já formados. Certamente acrescentei qualidades e sinto-me uma terapeuta muito melhor. Meu muito obrigada ao Sistemas Humanos. Aos novos pretendentes, que um dia possam se interessar por caminhos semelhantes, pensei em oferecer as palavras de Carlos Drumond de Andrade :

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

Marisa Micheloti

Nome
Email
Escreva seu Depoimento