Notícias

Escrito por Publicado em Notícias

Queremos agradecer a todos os alunos pela incrível experiência que foi este ano. Aprendemos muito juntos. Foram muitos dias de estudo, discussão, reflexão e convivência. 

Esta sexta feira será nosso ultimo dia de aula do ano e queremos desejar que todos tenham ótimas férias, boas festas e um próspero Ano Novo. 

Nos vemos no ano que vem! 

Instituto Sistemas Humanos

CURSO DE FORMAÇÃO EM TERAPIA DE CASAL E FAMÍLIA 

INÍCIO: 04/03/2016
DURAÇÃO: 3 ANOS
CARGA HORÁRIA: 4 HORAS/AULA SEMANAIS
HORÁRIO: SEXTAS-FEIRAS DAS 8H ÀS 12H

Dirigido a profissionais das áreas de humanas, saúde e educação interessados ou envolvidos no trabalho com famílias.

Não perca esta oportunidade para ampliar seus conhecimentos, visão e experiência como profissional. Matriculas:  (11) 5505-8911

Para mais informações, acesse nosso site:www.sistemashumanos.org 





Também estamos com curso em nossa unidade de Sorocaba:


(clique na imagem para abrir em uma nova guia)




REFLEXÕES

 
"Os casais (e famílias) chegam acuados em uma determinada construção da realidade, afunilados em seus recursos, com sua "caixa de ferramentas" trancada, em uma versão absoluta do seu sofrimento. Suas narrativas estão construídas com base nos seus recursos presentes empobrecidos, suas possibilidades futuras serão construídas fora desse discurso oficial saturado, nas narrativas dominantes, como denomina White e Epston (1993). O processo criativo nessa situação encontra-se engessado aguardando a oportunidade da construção de um contexto gerador de novos significados e sentido para nascerem lugares alternativos para as pessoas em suas relações e histórias."

Sandra Fedullo Colombo

Livro: Gritos e Sussurros: Interseções e ressonâncias Volume I
Org. Sandra Fedullo Colombo
Capítulo 1 - Gritos e sussurros: trabalhando com casais
 
08 Dezembro 2015

Textos para reflexão

Escrito por Publicado em Notícias

1 - "As interpretações das situações são subjetivas, auto-referentes, mas, ao serem compartilhadas e gerarem sentidos compartilhados, podem transformar-se em construções consensuais, gerar versões diferentes, competir entre si, ou coexistir."

Spink e Medrado (2004, p. 269)

 


2 -  "Os casais (e famílias) chegam acuados em uma determinada construção da realidade, afunilados em seus recursos, com sua "caixa de ferramentas" trancada, em uma versão absoluta do seu sofrimento. Suas narrativas estão construídas com base nos seus recursos presentes empobrecidos, suas possibilidades futuras serão construídas fora desse discurso oficial saturado, nas narrativas dominantes, como denomina White e Epston (1993). O processo criativo nessa situação, encontra-se engessado aguardando a oportunidade da construção de um contexto gerador de novos significados e sentido para nascerem lugares alternativos para as pessoas em suas relações e histórias."

Sandra Fedullo Colombo

Gritos e Sussurros: Interseções e ressonâncias Volume I
Org. Sandra Fedullo Colombo
Capítulo 1 - Gritos e sussurros: trabalhando com casais.



3 -

4 - "Como sou apaixonado, e pior, sou crente na multiplicidade de pensamentos e de ações, e também naquilo que congrega inúmeras fontes e práticas, claro, sou um comentarista imerso em minhas descrições e totalmente sem isenção, ainda assim tenho o desejo de contar o que vejo e de compartilhar tantas riquezas, não somente para a valorização do grupo que aqui faz terapia familiar tão brilhante quanto produtivamente, seja para oferecer alternativas de tratamento a um número cada vez maior de pessoas.
Longe de imaginar que a solução para todos os problemas estava em um único modelo de se fazer terapia, seja de família ou qualquer outra, tenho um universo de amostragem que embasa meu entusiasmo. A terapia familiar foi tornando-se uma terapêutica tão eficaz e múltipla, que fica até distante do seu início no Brasil, porém ainda marcada pelas características tão fortes de seus pioneiros e pode contribuir muito para novas construções de terapias de família, que certamente serão desenvolvidas ao longo do tempo e das novas gerações."

Marcos Naime Pontes

Construção pela Vivência em Terapia Familiar
Org. Marcos Pontes
Introdução

5 -  "Gosto de caminhar com a família ouvindo a voz de todas as pessoas, porque, em função de minha história, acho fundamental trabalhar com a diferenciação que pode nascer das perspectivas dos vários olhares. Gosto de ressaltar a implicação de todos e a responsabilidade de cada um nas construções que cada família realiza.
A responsabilidade de cada um está relacionada à sua implicação naquilo que observa. Toda observação emerge a partir do encontro que aquela pessoa realiza na situação. Não há um jeito certo de perceber um acontecimento ou compreender uma situação. Cada um contribui com uma parcela, a partir da sua perspectiva, da sua singularidade e, cada percepção, é igualmente válida e contribui para compreender o todo."

Janice Rechulski

Construção pela Vivência em Terapia Familiar
Organizador: Marcos Pontes
Capítulo 4 - Minha Composição

6 -  "Meu desafio permanente consiste em trabalhar as histórias, na construção de um contexto de confiança, autorizando-as a serem originais, incluindo suas peculiaridades e competências. Percebo meu cuidado na direção de buscar o sagrado de cada um, seja na clínica, seja no processo de formação do aluno-terapeuta. Acredito na transformação e no crescimento, por meio de relações afetivas, no encontro do terapeuta, com sua própria história e família, numa construção conjunta, gerando um processo de trocas infinitas e crescimento mútuo."

Adriana Mattos Fráguas

Construção pela Vivência em Terapia Familiar
Organizador: Marcos Pontes
Capítulo 10 - Em Cada Canto, um Conto e um Encanto

7 -  "Uma vida sustentável requer uma certa coerência com o que se é. Nenhuma vida se sustenta por muito tempo na superficialidade, nas bobagens, na arrogância e no fazer de conta. Uma hora o corpo, a mente cobram o preço do abandono por si mesmo. Doenças físicas, distúrbios emocionais, dificuldades de lidar com o prazer e manter-se distante da vida como espectador são alguns dos pedágios que pagamos por não conhecer o pior e o melhor que habita nossa alma. 
Infelizmente ainda se subestima a força e o valor da vida psíquica. Cuidar-se fisicamente é importante, mas cuidar da nossa alma, dos nossos desejos e do nosso pensar me parece vias possíveis para uma existência sustentável e com sentido. Portanto são os nossos músculos da vontade, da coragem e da autonomia que precisam todos os dias serem tonificados, desenvolvidos para uma maior resistência e vigor no caminho de um viver mais transparente, genuíno e espontâneo. É possível? Sim, mas requer que a escolha seja feita todas as horas, todos os dias quando a inércia e a sedução da ignorância existencial nos convida a viver uma vida enganosa, boba e carregada de ilusões. Quando as ilusões diminuem podemos experimentar alívio e liberdade."

Blenda Marcelletti Oliveira

Reflexões

Escrito por Publicado em Notícias

 

A visita educativa à Exposição Frida Kahlo no Instituto Tomie Ohtake foi um sucesso! Todos gostaram muito das explicações da monitora Júlia. Agradecemos a todos que puderam comparecer!
 
Escrito por Publicado em Notícias

Marilia Hellmeister
Terapeuta de familia e casal.
cel: 97140.7037

Durante a XIII Jornada Científica do Instituto Sistemas Humanos o projeto PertenSer floresceu. Contamos a todos os presentes o que foi construído neste 1 ano de trabalho, com muita paixão e seriedade. 

Este projeto nasceu do encontro de quatro terapeutas do Sistemas Humanos , Camila Falanghe. ,Eliana Pous, Ma. Luiza Bambini e Marília Hellmeister e tem como  articuladores Adriana Fraguas e Marcos Pontes. Atendemos famílias e casais em processo de adoção, bem como famílias acolhedoras e estendidas, nas suas mais diferentes inquietações.

Neste dia, compartilhamos também um pouco de nossa experiência  com essas famílias e despertamos nos terapeutas presentes o interesse em abraçar nosso trabalho para encaminhamentos no Instituto.